quinta-feira, maio 04, 2006

eu confesso


Quarta-feira. O que esperar de um dia tão banal e cotidiano quanto o meio da semana. Acordo atrasado, e, de manhã, vou numa reunião com a "Grande Mídia", como publicitário. Logo depois do almoço, administro empresas. No final da tarde, encontro com secretários: viro um articulador político. Ao chegar em casa, descubro que faço diferença na vida de quem mais admiro. E por alguns momentos, nada do que passei até então faz diferença. Quando tudo parecia fadado ao fim de mais um dia completamente inesperado, surge um filme, e com ele uma descoberta mais impressionante ainda:

A Tortura do Silêncio.
O grande problema do Hitchcock é que não tem como escolher sua melhor obra. Na minha lista do Orkut eu cito A Corda ou Festim Diabólico. Até semana passada estava com a idéia fixa de mudar para Disque M para Matar. Mas depois desse filme de quarta, não tem como: é tudo muito foda. Nos extras dizia que esse é um dos trabalhos menos conhecidos do cara; porém é impecável, perfeito. Cenas muito bem trabalhadas, cortes decisivos, interpretações afiadas, fotografia alinhada, roteiro amarradão...enfim: um Hitch!

Dos créditos iniciais (seqüência da seta), aos olhares reveladores, a imagem que revela as intenções e expande a milhares de interpretações; uma orquestração certeira dos elementos cinematográficos. Incrível.

Um comentário:

g. disse...

tem alguma coisa no Festim Diabólico que me prende de uma forma que eu não consigo explicar. O Terceiro Tiro é um dos filmes mais engraçados, sem ser abertamente cômico que eu já vi. Intriga Internacional é definitivamente um dos roteiros mais interessantes da história do cinema. Mas A Tortura do Silêncio para mim não foi uma experiência tão instigante quanto as anteriores...