domingo, fevereiro 13, 2005

Million Dollar Baby


Algumas obras de arte fazem rir, outras pensar, algumas chorar. Mas poucas transcendem. Além de emoções, sentimentos e impressões, carregam em seu trabalho algo mais. Não é nada definido, alcançável por uma fórmula específica. É algo relacionado com o humano, que nos distingue, define e toca. Expressões máximas do talento ou da possibilidade de uma arte. São as Obras-Primas.

E temos Menina d’Ouro

Bote fé. Mas muita fé, acima de qualquer outra coisa, naquilo que você quer da vida.
Afinal, temos apenas uma chance nela. Só uma tentativa de ganhar o mundo. Para atingir nosso objetivo de vida, temos que ter fé nessas nossas vontades, aspirações, desejos. Fé indestrutível e inquestionável que na possibilidade de um dia ter alcançar a realização. Temos então a motivação para nos fazer tentar. E isso é suficiente para podermos dormir sossegados. Nossa chance foi certa. Temos paz de espírito. Melancolia pela inocência. Alegria pela vitória.

Lutar por esse objetivo cegamente e como foco único e sério ou passar a vida num jogo bobo, pensando no impossível e em milagres tonhos? Na segunda vez que vi o filme essa pergunta veio à cabeça, porque se estamos aqui uma vez só e que para que possamos desfrutar o máximo desse objetivo querido, tanto faz se não der certo, se errarmos ou não conseguirmos atingir o objetivo. Tentamos com todas as forças e possibilidades. A derrota é algo muito mais certo do que vitória. Mesmo assim, o desejo de vitória faz com que toda derrota seja justificada e compreensível.

Filme impecável, favorito, sensível e forte. Obra-prima de Clint Eastwood, ícone. Leve um balde ao cinema.

Um comentário:

Nikola disse...

Tentamos com todas as forças e possibilidades. "A derrota é algo muito mais certo do que vitória. Mesmo assim, o desejo de vitória faz com que toda derrota seja justificada e compreensível."
nikola